The Big Ideas of 2012

O Mundo Pós-Ideias

Para onde devemos nos voltar quando as fontes de inspiração secam?
Selingkuh Tak Sampai - 2004 - Agus Suwage

Por milhares de anos, a civilização humana foi inundada por uma sucessão de mudanças de paradigmas, de grandes ideias. O espírito mundial hegeliano da modernidade, a morte nietzschiana de Deus e o Ser heideggeriano deram lugar, na pós-modernidade, ao dispositivo de Foucault, ao fim da história de Fukuyama, à desconstrução de Derrida e ao rizoma de Deleuze e Guattari. No entanto, enquanto todos nós presumíamos que as grandes ideias continuariam a jorrar intensamente para sempre, nos últimos anos parece que as fontes de inspiração começaram a secar. Começou-se a perceber que ideias realmente novas e criativas de repente pararam de surgir. Ninguém sabe por quê.

A seca conceitual não poderia estar ocorrendo em um momento mais inoportuno. Sete bilhões de nós estão atravessando a mais severa crise ecológica, financeira, política e espiritual de nossa história. Desta vez a catástrofe que estamos enfrentando não afeta somente uma nação ou uma região ou um continente... é ainda mais aterrorizante por ser mundial e simultânea. O mais provável é que, se não conseguirmos sair desse declínio, podemos simplesmente nos afundar em uma horripilante era das trevas... uma era chamuscada por capitalismo-autoritário, brutalidade e desordem que fará com que os genocídios e holocaustos do século passado pareçam só preliminares. Não foram só as ideias que se esgotaram; o tempo está se esgotando.

Agora, mais do que nunca, precisamos dos avanços criativos e dos brainstorms revolucionários que possam transformar o campo do pensamento, revelando saídas, abrindo possibilidades, potencialmente salvando a todos nós. Precisamos de dissidentes da mídia independente que possam matar o vírus comercial que infecta nossos fluxos de informação. Precisamos de uma brilhante nova safra de estudantes de economia que consigam peitar seus professores, derrubar o paradigma neoclássico e substituí-lo por um novo modelo, baseado em custo real. Precisamos de novas e poderosas formas de desmantelar o domínio corporativo e de matar o conceito de corporação como indivíduo. E há ainda o maior desafio de todos: como dar início a uma revolução social, uma insurreição do dia a dia que varra o planeta bem a tempo de evitar a catástrofe final?

Pode ser que o fato de termos abandonado o mundo natural, e de termos migrado em massa para o ciberespaço tenha cortado nossas raízes e embaralhado nossos neurônios de forma irreversível. Pode ser que estejamos no meio de um colapso mental sem volta da raça humana que caminha paralelamente ao colapso irreversível dos ecossistemas de nosso planeta. Essa espiral eco-psicológica pode nos esgotar. Talvez seja tarde demais?

Mas a edição #99 da Adbusters não é sobre desespero, é sobre esperança, revolução e como viver sem tempo morto... é sobre testar coisas novas e perceber se conseguimos arranjar energia psíquica para uma reviravolta radical.

Kalle Lasn e Micah White

Trad.: Translator Brigades[email protected]